Saturday, December 16, 2006

G14. O Engenheiro da Qualidade

Este texto baseia-se na Lista de Profissões publicada pela Direcção-Geral do Emprego e das Relações de Trabalho, do Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social, no documento Profissões: Guia de Caracterização Profissional.

Natureza do trabalho

A principal função dos engenheiros da qualidade consiste em definir e implementar sistemas de gestão e de garantia de qualidade nas organizações. Estes sistemas visam dirigir e controlar uma organização no que respeita à qualidade e constituem um conjunto de normas e procedimentos que as organizações devem cumprir para que os bens que produzem e/ou os serviços que prestam sejam de qualidade, isto é, que satisfaçam – ou até ultrapassem – as necessidades e expectativas dos seus clientes. Para que este objectivo seja atingido, estes sistemas devem abranger e envolver de forma activa todos os recursos humanos da organização, independentemente das suas funções ou nível hierárquico. O trabalho destes engenheiros traduz-se, assim, em criar, melhorar, redefinir ou suprimir actividades, procedimentos e processos inerentes ao funcionamento das organizações, com vista à introdução de melhorias em todos os seus sectores.

O seu trabalho pode ser desenvolvido nas mais diferentes áreas e em todo o tipo de organizações, obedecendo, contudo, a uma metodologia comum. Em primeiro lugar, estes profissionais têm em conta as características e os requisitos da organização na qual vão implementar um sistema de qualidade, uma vez que este varia, por exemplo, consoante se trate de uma fábrica, de um laboratório ou de uma empresa de prestação de serviços, entre muitos outros factores. Por isso, procuram obter inicialmente um conhecimento geral sobre a política, os valores e as estratégias da organização e estudam o seu ciclo de produção e/ou de prestação de serviços.

Em seguida, fazem um diagnóstico que identifique os aspectos em que a estrutura e o funcionamento da organização podem ser melhorados. Nesta fase, procuram saber, por exemplo, quais são as reclamações (caso existam) dos clientes e colaboradores da organização, bem como os problemas que surgem no dia-a-dia da organização. Uma vez identificadas as áreas problemáticas, o passo seguinte é perceber os motivos dessas deficiências e quais as soluções a adoptar para evitar a sua ocorrência. Desperdício de materiais, mau atendimento e extravio de documentos ou dificuldades na sua localização são alguns dos muitos problemas que podem ser abordados pelos engenheiros da qualidade.

Com base na recolha de dados efectuada na fase de diagnóstico, estes profissionais definem, em seguida, o sistema de qualidade a implementar na organização. Para esse efeito, fazem uso de normas definidas internacionalmente que apoiam as organizações na implementação e gestão de sistemas de qualidade eficazes, independentemente do seu tipo e dimensão, especificando requisitos para os respectivos sistemas.

As tarefas destes profissionais são muito diversas: desenvolvem metodologias e técnicas a aplicar nas actividades das organizações, elaboram manuais que normalizam práticas de trabalho, desenvolvem e utilizam técnicas estatísticas para acompanhar a evolução dos sistemas de qualidade, auscultam clientes, parceiros sociais, fornecedores e demais colaboradores para irem ao encontro das suas necessidades e expectativas e promovem acções de formação profissional para motivar e enriquecer os conhecimentos dos recursos humanos, entre outras. Em suma, cabe-lhes promover tudo aquilo que contribua para o aumento da qualidade nas organizações.

Os requisitos que lhes são exigidos são, por isso, também eles, abrangentes. De acordo com as normas da Organização Europeia para a Qualidade (EOQ, do inglês European Organization for Quality – v. http://www.eoq.org), estes profissionais devem ser objectivos nos julgamentos que fazem, dotados de destreza analítica, aptos para apreender as situações de forma realista e compreender a complexidade das operações numa perspectiva global, e capazes de entender o papel de cada unidade individual no conjunto da organização. Além disso, devem ser pessoas dinâmicas, conscienciosas nas suas acções e opções, com espírito aberto e sempre prontas a aceitar e a aprender novas técnicas e conhecimentos. As capacidades de síntese, planeamento, organização, gestão e liderança, tal como a imaginação e a curiosidade, são também consideradas importantes.

A capacidade de trabalhar em equipa e o gosto em contactar com outras pessoas constituem, ainda, requisitos relevantes, pois os sistemas de qualidade são muito orientados para os recursos humanos, dependendo o seu sucesso do nível de aceitação, envolvimento e responsabilização que os engenheiros da qualidade consigam obter daqueles que participam nas actividades da organização. Dialogar com as pessoas para identificar os problemas existentes e motivá-las para que estes sejam solucionados são tarefas fundamentais no seu quotidiano. Assim, não basta que conheçam os aspectos técnicos e organizacionais ou que dominem exaustivamente as normas e os procedimentos da qualidade – é igualmente importante que possuam e treinem as competências comunicacionais e valorizem os aspectos humanos e sociais.


Emprego

Os engenheiros da qualidade podem trabalhar como técnicos e directores em empresas que possuem grupos técnicos ou departamentos de qualidade. A grande maioria das empresas que recruta estes profissionais para os seus quadros é do sector industrial. Algumas hipóteses de trabalho são também oferecidas por associações profissionais, laboratórios, entidades relacionadas com centros tecnológicos e empresas de comercialização/reparação (por exemplo, do ramo automóvel), bem como por grandes empresas exportadoras com fortes ligações com clientes estrangeiros que exigem o cumprimento de normas de qualidade. As empresas do sector terciário também têm vindo a procurar engenheiros da qualidade.

Estes profissionais também podem trabalhar como auditores ou consultores, prestando serviços externos a organizações. Neste âmbito, exercem a sua actividade em empresas formadas por uma equipa de técnicos da área da qualidade, ou nas grandes empresas multinacionais de auditoria e consultadoria, apoiando outras empresas na organização e implementação de sistemas de qualidade. Alguns trabalham também em vários organismos (maioritariamente privados), que empregam quer nos seus quadros, quer como colaboradores externos (auditores e/ou consultores), pessoas com conhecimentos na área da Engenharia da Qualidade, e cuja função principal consiste em auditar organizações com vista à emissão de certificados onde se atesta que cumprem normas de qualidade na produção dos seus bens e/ou na prestação dos seus serviços. A certificação de organizações, produtos e pessoas é voluntariamente requerida pelas empresas, pois melhora a sua imagem e aumenta a confiança dos seus clientes, entre outras razões. A certificação é uma actividade de mercado, exercida em livre concorrência, regulada, como já foi referido, por um organismo acreditador, o IPAC onde podem ser encontradas informações e contactos sobre os organismos de certificação acreditados.

1 comment:

Artur de Assis Andrade said...

Parabéns pelo blog!
Muito educativo!

Felicidades e sucesso!